Sábado, 25 mai 2019
Ligas
+ Filiados
2ªDIV
A3
A2
A1

América
Luiz Donizette Prieto
Presidente
América Futebol Clube
História

 

Antonio Tavares Pereira Lima era um engenheiro da Estrada de Ferro Araraquarense (EFA), disputava partidas como centroavante e possuía um espírito idealizador. Ele sonhava em abrir novos horizontes no cenário esportivo da cidade, em fundar um clube de amplas dimensões, com estádio próprio, sede social e ser filiado à Federação Paulista de Futebol e à antiga Confederação Brasileira de Desportos (CBD).

  

Certo dia, Vitor Buongermino, jogador de futebol local, pegou o trem que partiu de Catanduva às 18 horas e encontrou Antonio Tavares Pereira Lima, que vinha de Araraquara para Rio Preto. Ambos acabaram concordando com a necessidade de formar uma equipe competitiva para rivalizar com o Bancários, sensação da época e onde jogava um ponta-direita chamado Wilson Caniza, que desafiava qualquer time da região.

 

A partir daí, a ideia foi amadurecida nos pontos de encontro da época: Charutaria do Pilão, Alfaiataria Rosselli, Bar do Jeca, entre outros. Pereira Lima, com seu entusiasmo, carisma e popularidade conseguiu multiplicar os contatos e foi ganhando adesões de setores importantes da cidade.

 

Numa segunda-feira, dia 28 de janeiro de 1946, no salão de festas do Hotel São Paulo, no 3º andar do Edifício Curti, situado na Rua Bernardino de Campos, nº 1576, a convite de Antonio Tavares Pereira Lima e Vitor Buongermino, reuniram-se 53 esportistas locais além de cronistas de A Folha de Rio Preto e A Notícia. Os trabalhos foram iniciados por volta das 20h30, com Antonio Tavares Pereira Lima presidindo a reunião.

 

Ficou decidido que a nova agremiação teria o vermelho e o branco como cores oficiais. O novo clube que nascia foi batizado com o nome de América Futebol Clube.

 

O Conselho Deliberativo ficou constituído por 20 membros e o presidente eleito foi Vitor Buongermino. A seguir, deu-se início às eleições para Presidente e Vice-Presidente da Diretoria. Antonio Tavares Pereira Lima foi eleito Presidente e a Vice-Presidência ficou a cargo de Mário Alves Mendonça.

 

Uma vez empossados, iniciaram os trabalhos para filiar o América à Federação Paulista de Futebol, inscrevendo-o no Campeonato do Interior. Só que o time, por enquanto, tinha apenas um jogador; o próprio presidente, que jogava de centroavante. E lá se foi Mário Alves Mendonça para São Paulo cuidar dos registros e atrás de algum craque disponível para disputar o campeonato, que começava em dois meses.

 

O primeiro jogo da equipe de São José do Rio Preto foi contra a Ferroviária de Araraquara, no dia 17 de março de 1946, no Estádio Giocondo Zancaner, na cidade de Mirassol. A partida terminou com o placar de 3 a 1 para o América. Os gols foram marcados por Quirino, Fordinho e Dema, e Sacarrolha descontou para a equipe de Araraquara.

 

Em 1948, o América disputou o primeiro Campeonato Paulista. A equipe de São José do Rio Preto, que disputou a Segunda Divisão, terminou a competição na 9ª colocação, com 26 pontos. Em 1957, a equipe conseguiu vencer a Segunda Divisão, conseguindo, assim, o acesso à elite do futebol paulista, onde permaneceu até 1960.

 

No ano de 1963, o América conseguiu novo acesso à elite do futebol paulista e permaneceu até 1997, quando foi rebaixado novamente. Em 1999, a equipe de São José do Rio Preto conseguiu o título do Campeonato Paulista da Série A2, ao empatar os dois jogos da final contra a Ponte Preta, e, assim, retornou à Série A1. Contudo, no ano seguinte, o América foi novamente rebaixado.

 

Em 2001, a equipe conseguiu novo acesso à elite do futebol paulista e permaneceu na Série A1 até o ano de 2007, quando terminou a competição no 17º lugar e acabou sendo rebaixada novamente. Na temporada seguinte, com uma campanha irregular, o América conseguiu sair das últimas posições e permaneceu na Série A2, ao ficar em 15º lugar.

 

Com uma boa campanha no início do Campeonato Paulista da Série A2 de 2009, a equipe de São José do Rio Preto figurou entre os primeiros colocados em boa parte da competição. Contudo, o América caiu de rendimento e chegou à última rodada precisando vencer a Ferroviária, fora de casa, para conseguir a classificação à segunda fase do torneio. Com o empate por 0 a 0, a equipe terminou o campeonato na 9ª colocação, um ponto atrás do Taquaritinga (30 a 29) – último time a conseguir a vaga – e, assim, não pôde disputar o acesso.

Os três anos seguintes foram novamente bem abaixo das expectativas. Em 2010, eliminação na primeira fase e após lutar contra o descenso até a última rodada no Campeonato Paulista da Série A2 de 2011, o América conseguiu se sustentar na 8ª colocação do Grupo 01, à frente somente de Marília e Sertãozinho, rebaixados.

A temporada de 2012, por sua vez, não perdoou o mau rendimento ao longo da competição e mandou o time pela primeira vez na história para o Campeonato Paulista da Série A3, pior campanha da equipe de São José do Rio Preto de todos os tempos, terminando na última posição da tabela de classificação. Em 2013, a redenção não aconteceu e o clube evitou nova queda, desta vez para a Segunda Divisão, com apenas um ponto a frente do primeiro rebaixado.

Ficha Técnica
América
Endereço
Avenida Antônio Tavares Pereira Lima, 904-1074 - Jardim Bela Vista - CEP: 15061-220 Telefone: 17 3363-5451
WEb site oficial
www.america-rp.com.br
Fundação
28/01/1946
Mascote

Na reunião de fundação do clube, a primeira decisão foi a escolha de suas cores: vermelho e branco. Isso facilitou a definição do nome da agremiação, que girava entre Dínamo, Flamengo e América - e este último ganhou a preferência.

Devidamente batizado, o clube utilizou muito da iconografia do América do Rio de Janeiro, como seu uniforme, escudo e mascote. Foi o caricaturista argentino Lorenzo Molas quem criou o “Diabo Rubro” do clube carioca, inspirado na sua paixão natal pelo Independiente. Assim como seu irmão mais velho, o América de Rio Preto passou a ser conhecido como “Diabo” e com o tempo a mascote foi ganhando os traços do personagem de quadrinhos Brasinha, criado pelo norte-americano Alfred Harvey, muito popular na década de 60, editado pela revista O Cruzeiro, época em que o clube chegou à 1ª Divisão Paulista.