Terça, 27 out 2020
Ligas
+ Filiados
2ªDIV
A3
A2
A1

Santos
José Carlos Peres
Presidente
Santos Futebol Clube
História

O Santos Futebol Clube foi fundado no dia 14 de abril de 1912, por iniciativa de três esportistas da cidade, que convocaram uma assembléia na sede do Clube Concórdia para a criação de um time de futebol. Durante a reunião, surgiu a dúvida sobre o nome da agremiação, mas os participantes da reunião aclamaram, por unanimidade, a proposta de Santos Futebol Clube. O primeiro jogo da nova equipe ocorreu em 15 de setembro daquele ano. O adversário foi o Santos Athletic Club, mais conhecido como Clube dos Ingleses, e o Santos Futebol Clube venceu por 3 a 0.

 

No início de 1913, o Santos recebeu um convite da Liga Paulista de Futebol para disputar o campeonato estadual daquele ano. Esta foi a primeira competição oficial disputada pelo clube, cuja estreia aconteceu no dia 1º de junho, diante do Germânia. O resultado, porém, não foi nada animador: uma derrota por 8 a 1. Três semanas depois, no dia 22 de junho, o time santista conquistou sua primeira vitória em uma competição, por 6 a 3, diante do Corinthians, em pleno Parque São Jorge.

 

Desde os primeiros anos de existência, o Santos obteve êxitos memoráveis, tanto em jogos locais como internacionais. Seu primeiro título de campeão paulista foi conquistado em 1935, após um declínio, dois anos antes, em razão da criação do profissionalismo no futebol. Em 1955, após 20 anos sem ser campeão, o Santos voltou a conquistar o segundo título de campeão paulista ao derrotar o Taubaté.

 

No ano seguinte, chegou Pelé, de apenas 15 anos, e deu novo impulso à história do Santos, levando o clube a conquistas que enalteceram o futebol brasileiro no mundo. O Santos de Pelé praticamente deu a volta ao mundo, encantando torcedores com o futebol de seus craques. Nesse período, o Santos foi bicampeão so Mundial Interclubes, em 1962 e 1963, bicampeão da Taça Libertadores da América, nos mesmos anos, entre outras conquistas.

 

Com o fim da Era Pelé, o Santos continuou seu caminho de conquistas, sendo campeão paulista de 1984 e campeão da Taça Conmebol de 1998. Mas foi somente em 2002, ano em que o clube completou 90 anos, que o Santos conquistou novamente o Campeonato Brasileiro. O time que conseguiu a conquista foi, basicamente, formado dentro da Vila Belmiro. Os jovens destaques da equipe como a dupla Diego e Robinho se tornaram símbolos de um futebol vistoso e alegre. No ano seguinte, com a base mantida, o Santos chegou aos vice-campeonatos da Copa Libertadores da América e do Campeonato Brasileiro.

 

Em 2004, o clube conquistou dois títulos importantes, um com sua equipe principal e outro com o time B criado naquele ano. O time B, dirigido por Márcio Fernandes, foi campeão da Copa Federação Paulista de Futebol, garantindo vaga na Copa do Brasil. Já o time principal conquistou novamente o Campeonato Brasileiro, sob a direção técnica de Vanderlei Luxemburgo, com destaque para Robinho, que o time perderia em 2005, quando o jogador assinou contrato com o Real Madrid, da Espanha.

 

No ano seguinte, novamente sob o comando de Luxemburgo, o Santos mostrou seu potencial e interrompeu o jejum de 22 anos sem um título paulista, com uma vitória por 2 a 0 sobre a Portuguesa de Desportos. No ano seguinte, com Zé Roberto de volta à equipe, o Santos conquistou o bicampeonato paulista, com uma vitória sobre o São Caetano. Em 2008, o Santos não conseguiu repetir a boa atuação no Campeonato Paulista, encerrando sua participação na sétima colocação.

Já em 2009, o clube chegou mais uma vez à final da competição, sendo derrotado pelo Corinthians. No nacional, fez campanha discreta, diferente do que aconteceria no primeiro semestre de 2010.

Com um time cheio de garotos e com o reforço do ídolo Robinho, no que ficou conhecido como a terceira geração de 'Meninos da Vila', o Santos encantou com muitos gols, um futebol exuberante e os títulos do Campeonato Paulista e da Copa do Brasil, em seis meses perfeitos. No segundo semestre, outra participação discreta no Campeonato Brasileiro não impediu que a temporada fosse inesquecível para o torcedor, pois desde 1968 que o clube não conquistava dois títulos importantes no mesmo ano.

No entanto, para alegria da torcida, em 2011 e 2012 o feito se repetiu. Sob o comando de Neymar, a equipe da Vila Belmiro conquistou mais um Campeonato Paulista, o bi, e a tão sonhada Copa Libertadores da América sobre o Peñarol. No ano seguinte, chegou o tricampeonato, algo que não ocorria desde 1969 no futebol paulista. Com este título, igualou-se ao Corinthians com três tricampeonatos paulistas na história. Para completar, ainda foi campeão da Recopa Sul-Americana ao bater o Universidad do Chile.

Em meio a tantas conquistas, o clube fez campanhas medianas no Campeonato Brasileiro e ainda amargou derrota vexatória para o Barcelona na decisão do Mundial de Clubes da FIFA, em dezembro de 2011. Mais tarde, perdeu duas decisões para o rival Corinthians: a semifinal da Taça Libertadores da América e a decisão do Paulistão Chevrolet 2013.

O vice-campeonato estadual foi repetido em 2014, quando foi derrotado nos pênaltis pelo Ituano, surpresa do interior. Já em 2015, quando chegou à sua sétima final consecutiva de Paulistão, um recorde na história do campeonato, o time santista voltou a levantar a taça batendo o rival Palmeiras, também nas penalidades. Com a conquista, chegou ao 21º título estadual, voltando a ficar à frente do rival São Paulo em número de conquistas.

Ficha Técnica
Santos
Endereço
Avenida Princesa Isabel s/n - Vila Belmiro - CEP: 11075501 Telefone: 13 3257-4000
WEb site oficial
www.santosfc.com.br
Fundação
14/04/1912
Estádio Mandante
Vila Belmiro
Santos
Mascote

Pode parecer contradição, mas a escolha da Baleia, um mamífero, para representar um clube que tem o apelido de peixe faz sentido. Primeiro, porque a Baleia representa o maior animal marinho e, depois, porque a Orca é uma espécie que pode ser encontrada no litoral santista durante seu fluxo migratório. Além das cores branca e preta do animal, o que realmente identifica a Baleia como símbolo do Santos é a força similar de sua torcida.

Recentemente, a mascote foi reestilizada, ganhou um nome – Baleião – e  companhia, o Baleinha. Quando do apelido de peixeiros recebido em 1933, no primeiro ano de profissionalismo do nosso futebol, por torcedores de São Paulo, não é demérito, mas honra para os moradores da cidade praiana.